Andamento

Saturday, December 18, 2004

O ano que passou.

Depois de três dias de apresentação terminámos, com uma noite em que tudo correu muito bem, em que todos sentimos isso. A noite da despedida. Despedida para férias, férias de uma época cheia de magia como é o Natal, e a minha despedida. O "adeus" que não se diz, mas que todos sabem que está lá. Fala-se em fazer "algo mais" da peça "Que esperar de nós?" (um vídeo talvez) mas de resto, tudo para mim passará a estar um pouco mais distante. Porque assim sinto que tem de ser. Por mim e por vocês. Já vos disse. Não vou voltar a repetir tudo outra vez. Estou aqui a escrever, isso sim, para descrever o que foi este ano, primeiro ano, do Andamento. Desde o iniciar com alguma desconfiança mas muito entusiasmo, à aula da Margarida, que tantas marcas deixou...
"Quero estar... quem és?... Lembra-te... Basta-me quem sou... Lembras-te daquele dia?... Sinto-me bem... O corpo que já foi meu..." (15-01-2004)
As improvisações, sobre tanta coisa, e nada em concreto, mas que resultavam maravilhosas...
"Não percebes que basta trepares até ao topo de uma árvore e inspirar profundamente para me sentires? (...) Não entendes que és como a cadeira? Já não estás cá mas continua quente... continuas cá sem estar cá." (28-01-2004)
As conversas longas, já longas iam as horas também, entre confissões de "teenagers" inconscientes e desabafos de quem já tantas coisas viveu.
As inúmeras gargalhadas, as lágrimas que também teimaram em cair algumas vezes, as discussões e o "não estar de acordo"... o stress, a angústia... a felicidade de ver algo crescer a passos gigantes... o bonito que é ver a mobilização de uma Escola para um único fim. A música que surge, repentina e insuspeitada... "Somos um mundo e queremos dar, vencer e alcançar...".
A estreia. O nervoso miudinho, o nó na garganta e o estômago que aperta com força. Os aplausos.
O recomeçar de novo e a decisão de repôr a peça. O cansaço, uma ansiedade maior, uma convivência um pouco mais complicada, uma menor disponibilidade. Uns últimos dias de magia. E a nova apresentação.
Três dias, três momentos que ficarão para sempre, e como todos os outros, na memória. O último, aquele em que me enganei e ninguém notou. Em que agradecemos quem sempre esteve aí e merece tudo. Em que os aplausos parecem mais intensos. Em que as lágrimas cairam porque era inevitável que assim fosse. Em que senti os vossos abraços mais apertados e em que dei à luz. E o bebé é NOSSO, criámo-lo ao longo deste ano. Chama-se "Que esperar de nós?", chama-se "Andamento", chama-se Gisa, Andreia, Ricardo, Pipa, Joaquim, Carla, Sara, Mara, Rita, Filie, Isa, Graça, Zé Manel, Pires... tem tantos, tantos nomes. Dos que nos foram ver, dos que participaram, daqueles em que nos inspiramos, daqueles que nos deram força e até daqueles que não estiveram mas importaram. O bebé nasceu e espero que continue ainda a crescer.
De qualquer forma este ano foi mágico. Muito foi o que aprendi, o que senti, o que cresci. Por tudo o que esta gravidez significou para mim, obrigada, mesmo. Sabem que se agora vos deixo o bebé é porque confio que o cuidarão bem, com muito carinho.
"Isabel, as lágrimas calcorreiam o meu rosto na direcção da gravidade. Tudo o que fizémos foi lindo e tenho pena que tenha acabado. Vou levar isto para o resto da minha vida. Obrigada!" (Hoje...)
Continuarei em andamento, e a ver os passos do Andamento. Podem sempre contar com o meu apoio. E um dia, quando tiver mesmo grávida, hei-de lhe dizer "prometo que te ensinarei a nadar" e hei-de sorrir, porque será verdade e porque me lembrarei de tudo isto.
Entre cores, música, desespero, misticismo, terror, contratos e simplicidade... guardo o nosso pequeno grande sonho que conseguimos levar para a frente. Mantenham-no vivo, tenho a certeza que será cada vez melhor.
E nunca se esqueçam... que a LEGÍSTICA é muito importante.

1 Comments:

  • Quando ensinares o teu filho a nadar eu prometo que voltarei ao rio para o ver... porque todos nós voltaremos à água em que fomos feitos, neste caso ao primeiro dia em que formamos o Andamento...
    Apenas posso dizer que te ADORO e tenho de reconhecer que me custou muito esta partida. Levas um pouco de mim, e espero que um dia não me leves o resto que deixaste... Neste momento acho que não aguentaria...
    Bjoca do tamanho do mar...
    Andreia

    By Blogger Teatro Andamento, at 4:10 PM  

Post a Comment

<< Home